INFORMATIVO FARMÁCIA NA PRÁTICA – SÉRIE SOROS – N° 05

📣Plantão Farmácia na Prática – Sempre trazendo Curiosidades, Novidades e Atualidades do Mundo Farmacêutico!!! 💊💊

SORO ANTIBOTRÓPICO – LAQUÉTICO (paciente)

APRESENTAÇÃO
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas
contendo 10 mL de solução injetável da fração F(ab’)2 de imunoglobulinas específicas purificadas,
obtidas de plasma de equinos hiperimunizados com uma mistura de venenos de serpentes dos gêneros
Bothrops e Lachesis e acondicionadas em caixa com 05 unidades.
USO INTRAVENOSO OU SUBCUTÂNEO
USO ADULTO E PEDIÁTRICO
COMPOSIÇÃO
Cada ampola de 10 mL contém:
Fração F(ab’)2 de imunoglobulinas que neutralizam no mínimo 50 mg do veneno de referência de
Bothrops jararaca e 30 mg do veneno de referência de Lachesis muta (soroneutralização em
camundongo)
Fenol …………………………………………………………………………………………………………………… (máximo) 35 mg
Cloreto de sódio …………………………………………………………………………………………………………………. 85 mg
Água para injetáveis ……………………………………………………………………………………………………. q.s.p. 10 mL

1. INDICAÇÕES
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, é um dos tratamentos para
envenenamento causado por serpentes do gênero Bothrops (ex: jararaca, jararacuçu, urutu, cotiara, caiçara
e outras) ou ainda do gênero Lachesis (surucucu pico de jaca).
Características dos acidentes botrópicos e laquéticos
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, somente deve ser
empregado em pacientes picados por serpentes do gênero Bothrops ou do gênero Lachesis caso não se
identifique a serpente responsável pela picada. Sempre que possível, deve-se proceder à captura
cuidadosa e segura da serpente para a sua identificação e a adoção do tratamento adequado.
As manifestações no local da picada causada por serpentes do gênero Bothrops podem ser bastante
evidentes e caracterizam-se por: dor imediata, de intensidade variável, que pode ser o único sintoma;
edema e equimose de instalação precoce, dentro das primeiras horas; bolhas, abcesso/infecção e necrose
que podem ocorrer nos dias subsequentes ao acidente.
As manifestações sistêmicas do envenenamento botrópico caracterizam-se por sangramentos espontâneos
em gengivas, pele, urina e feridas recentes; e alteração da coagulação sanguínea. Nos casos graves pode
ocorrer choque e insuficiência renal aguda.
As manifestações sistêmicas do envenenamento laquético caracterizam-se por alterações da coagulação,
com consumo de fibrinogênio e sangramentos, exacerbação do tônus vagal, com hipotensão arterial,
bradicardia, cólicas abdominais e diarreia.
ATENÇÃO: A sintomatologia do envenenamento por serpentes do gênero Bothrops é semelhante à
causada pelo gênero Lachesis. Na região amazônica e Mata Atlântica, os referidos gêneros estão
presentes, logo, nestas áreas a identificação da serpente se torna fundamental para o êxito do tratamento
específico. Caso contrário, será necessária a aplicação do soro antibotrópico (pentavalente) e
antilaquético.

Em caso de acidentes devem ser seguidas as seguintes recomendações:
Não usar garrote ou torniquetes.
Não fazer incisões no local da picada.
Não aplicar querosene, amoníaco ou outras substâncias no local da picada.
Não ingerir líquidos tóxicos ou bebidas alcoólicas.
Manter o paciente em repouso, evitando caminhar.
Manter o paciente hidratado.
2. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
O efeito do soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, inicia-se
imediatamente após a sua administração, neutralizando as toxinas do veneno de serpentes do gênero
Bothrops ou do gênero Lachesis encontradas no sangue e depois, possivelmente, nos tecidos.
Os anticorpos, fração F(ab’) das imunoglobulinas específicas, contidos no soro heterólogo e hiperimune
ligam-se especificamente às toxinas do veneno, neutralizando-as
. Quanto mais precoce for a administração do soro, maior é o seu potencial terapêutico, desta forma, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não é indicado nos acidentes causados por serpentes do gênero Crotalus (cascavéis) ou Micrurus (corais).
Nos pacientes com antecedentes alérgicos ou sensíveis a soros de origem equina, a infusão intravenosa do soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, deverá ser feita em condições de estrita assistência médica, para observar o aparecimento de reações
anafiláticas e iniciar um tratamento intensivo das mesmas.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
Em casos de edema intenso e ocorrência de necrose, realizar o tratamento cirúrgico.
Antibioticoterapia na presença de infecções secundárias e profilaxia do tétano são indicadas.
Insuficiência renal aguda é complicação grave no acidente botrópico. Cuidados especiais com a hidratação do paciente e função renal devem ser instituídos precocemente.
O uso do soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, na gravidez e
lactação não é contraindicado, porém o médico assistente deve estar atento a essa condição.

Recomendações especiais
A insuficiência renal aguda é a complicação mais temida no acidente botrópico sendo também referida no
acidente laquético. Cuidados especiais com a hidratação do paciente e cuidado com a função renal devem
ser instituídos precocemente. Pelo risco potencial de bradicardia, hipotensão e choque, recomenda-se o
cuidado das funções vitais nos envenenamentos laquéticos. A administração do soro deve ser feita com
cautela em pacientes idosos.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Nenhuma medicação concomitante compromete o uso do soro, porém toda medicação que porventura
esteja sendo aplicada no paciente deve ser informada ao médico assistente.

CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, deve ser conservado sob
refrigeração entre 2 ºC e 8 ºC. O soro não deve ser congelado.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem (embalagem e ampola).
Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
O prazo de validade deste soro é de 36 meses a partir da data de fabricação.
Após abertura da ampola, o soro deve ser administrado imediatamente.

O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, é uma solução límpida,
incolor ou ligeiramente amarelada, que não deve apresentar grumos ou partículas.

Não deve ser usado se houver turvação ou presença de grumos.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

POSOLOGIA E MODO DE USAR
Aplique o soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, em doses adequadas
o mais precocemente possível, sob estrita vigilância médica.
Classificação quanto à gravidade e dose recomendada

ACIDENTE BOTRÓPICO
Manifestações e Tratamento
Classificação (Avaliação Clínica Inicial)
Leve Moderada Grave
Locais: dor, edema, equimose Ausentes ou discretas Evidentes Intensas **
Sistêmicas: hemorragia grave, choque, anúria Ausentes Ausentes Presentes
Tempo de coagulação (TC)* Normal ou alterado Normal ou alterado Normal ou alterado
Soroterapia (quantidade de ampolas)
Via de administração Intravenosa
*TC normal até 10 minutos; TC alterado: prolongado de 10 a 30 minutos e incoagulável maior que 30 minutos.
** Manifestações locais intensas podem ser o único critério para classificação de gravidade.

ACIDENTE LAQUÉTICO
Manifestações e Tratamento Classificação
Náuseas/vômitos, sudorese, tontura, manifestações vagais:
bradicardia, hipotensão arterial, diarreia
Avaliada pelos sinais locais e intensidade das manifestações vagais
Soroterapia (quantidade de ampolas)
Via de administração Intravenosa
Em caso de dúvida diagnóstica, deve ser considerada a possibilidade de se tratar de um acidente
laquético. Neste caso, recomenda-se dose de 10 a 20 ampolas de soro antibotrópico (pentavalente) e
antilaquético, de acordo com a gravidade do caso.
A via de administração do soro recomendada é a intravenosa (IV) e o soro, diluído ou não em solução
fisiológica deve ser infundido entre 20 e 60 minutos, lentamente. Na impossibilidade de utilizar esta via, o
soro pode ser administrado por via subcutânea.
A necessidade de administração de doses adicionais, relativas às recomendadas, deverá ser avaliada de
acordo com o quadro clínico e o tempo de coagulação (TC). Se o TC permanecer incoagulável 24 horas
após a soroterapia, é recomendada dose adicional de 2 ampolas.
Em caso de picada de serpente, providencie o mais rápido possível uma assistência médica adequada.
Quanto mais precoce for a administração da primeira dose do soro, maior é o seu potencial terapêutico.
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, deve ser aplicado sob
supervisão médica, preferencialmente pela via intravenosa, seguindo as doses estipuladas (VIDE
POSOLOGIA), sob a forma de infusão lenta e em AMBIENTE HOSPITALAR, pois pode desencadear
reações alérgicas, algumas delas potencialmente graves.
O paciente deve ser orientado a procurar assistência médica ao aparecimento de qualquer reação adversa
mesmo após o final do tratamento com o soro.
O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético, heterólogo e hiperimune, pode ser administrado a
qualquer momento mesmo após refeições ou ingestão de bebidas alcoólicas, mas exige cuidado mais
rigoroso desses pacientes pelo risco de complicações relacionadas a vômitos (aspirações). O uso
concomitante de outros medicamentos não impede a utilização do soro.

REAÇÕES ADVERSAS
A administração de soros heterólogos e hiperimunes pode ser acompanhada de reações do tipo alérgico,
de graus variáveis. As mais frequentemente observadas são: prurido/rubor cutâneo, urticária, tosse
seca/rouquidão, náuseas/vômito, crise asmatiforme. Reações graves são pouco frequentes e o choque
anafilático foi descrito em 1:50.000 pacientes que fizeram uso do soro equino.
Por se tratar de soro heterólogo é possível o aparecimento de reações:

Reações precoces
São de frequência variável e ocorrem dentro das primeiras 24 horas após a administração do soro. São de
caráter anafilático ou anafilactoide, podem ser graves e necessitam de cuidados médicos. Estas reações
ocorrem com maior frequência entre pacientes anteriormente tratados com soro de origem equina.
Prevenção das reações precoces
Solicite informações do paciente quanto ao uso anterior de soro heterólogo e hiperimune (antitetânico,
antirrábico, antiofídico) e problemas alérgicos de naturezas diversas. Diante de respostas positivas,
considere o potencial de reações adversas e administre anti-histamínicos e corticosteroides na dose
recomendada, 15 minutos antes da aplicação do soro.
O teste de sensibilidade tem sido abandonado na rotina do tratamento com soros heterólogos, pois não
tem se mostrado eficiente para detectar a sensibilidade do paciente, podendo desencadear por si
mesmo, reações alérgicas, retardando a soroterapia.
Tratamento das reações precoces
Interrompa temporariamente a soroterapia e inicie o tratamento conforme a intensidade das reações.
No caso de urticária generalizada, crise asmatiforme, edema de glote ou choque, deve-se proceder à
administração imediata de adrenalina aquosa 1:1000, via subcutânea ou intramuscular, na dose de 0,3 a
0,5 mL em adultos e 0,01 mL/Kg em crianças, podendo ser repetida a cada 5 ou 10 minutos conforme
a necessidade. Na presença de crise asmatiforme, recomenda-se ainda a utilização de broncodilatadores
inalatórios ou aminofilina por via parenteral. Os corticosteroides e anti-histamínicos exercem papel
secundário no controle destas reações, podendo ser também utilizados. Após a remissão do quadro de
hipersensibilidade, reinstitua a soroterapia conforme a dose recomendada inicialmente.

Reações tardias
São, em geral, benignas e ocorrem entre 5 a 24 dias após a administração do soro. Caracterizam-se por:
febre, urticária, dores articulares, aumento dos gânglios e, raramente, comprometimento neurológico ou
renal. Esta reação é também conhecida pelo nome de “Doença do Soro” e é tratada de acordo com a sua
intensidade, através da administração de corticosteroides, analgésicos e anti-histamínicos.2
Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária –
NOTIVISA, disponível em , ou para a
Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.
Em caso de eventos adversos, notifique também à FUNED por meio do link:
.
Informe também à FUNED por meio do seu Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC).

Fonte:http://www.funed.mg.gov.br/wp-content/uploads/2015/04/BULFJ-0046-REV02_Profissional-de-Sa%C3%BAde.pdf